financiar

7 Dicas para financiar um imóvel

Comprar a casa própria ou o apartamento sempre é um sonho no decorrer da vida das pessoas, e uma das opções quando o dinheiro não permite que seja feito à vista, é financiar por meio de um crédito antecipado cedido pelas instituições financeiras.

São muitas as burocracias no meio do caminho e diversas etapas a serem concluídas, porém, a vontade de ter um apartamento com closet planejado com banheiro é maior do que qualquer obstáculo ou dificuldade. 

Do que se trata o financiamento imobiliário?

É a concessão de um crédito destinado à compra de um bem, que precisa ser aprovado antecipadamente pelo banco, para pessoas que não têm dinheiro para realizar a compra e o seu pagamento à vista.

A quantia disponibilizada é devolvida ao banco em prestações, definidas no contrato assinado, porém, as mesmas sofrerão o acréscimo de juros e correção monetária, que já estão embutidas no cálculo, sendo incluído também seguros e taxas.

O máximo de tempo de um contrato entre o banco e o cliente, para se adquirir uma casa com rede de janela para gatos dura 35 anos e enquanto as prestações não forem pagas totalmente, fica valendo a alienação fiduciária do bem.

A alienação fiduciária permite que o banco tenha o direito de propriedade do bem até a sua quitação, mas o comprador mantém a posse do imóvel, podendo usá-lo livremente, e se as prestações não atrasarem além de 90 dias, nenhum problema ocorrerá.

Todo financiamento é um compromisso a longo prazo, por isso, é importante refletir a respeito antes de tomar qualquer decisão, analisando, por exemplo, se a renda financeira será estável nos próximos anos.

Uma solução para fugir do aluguel, cujos valores sofrem sempre flutuações é comprar uma casa com fechamento de sacada com vidro de correr iniciando, assim, a construção do patrimônio familiar.

Etapas desse financiamento 

A operação de concessão do crédito por parte dos bancos passa por algumas etapas, cujas diretrizes precisam ser cumpridas, tanto por parte da instituição financeira como da pessoa solicitante do dinheiro, tais como:

  • Planejamento e análise das linhas de crédito;
  • Análise de crédito pela instituição financeira;
  • Avaliação do imóvel com impermeabilização piso externo;
  • Análise jurídica;
  • Assinatura do contrato;
  • Registro;
  • Liberação do crédito concedido.

É essencial o planejamento das finanças pessoais, simular as parcelas do financiamento, assim como analisar as condições financeiras oferecidas pelos bancos, sendo ideal obter informações sobre o quanto pode ser disponibilizado.

A renda sempre deve ser o suficiente para o pagamento das parcelas durante o prazo estipulado no contrato, para que não haja comprometimento no conserto de portão basculante com social, por exemplo.

Uma série de documentos listados mais a frente serão solicitados, com o objetivo de analisar a renda, a idade e o histórico do pagador, não podendo constar nada que impeça a instituição a conceder o dinheiro.

A instituição financeira é responsável pela análise da documentação do imóvel e um profissional credenciado afere o seu valor e o banco também analisa os documentos do comprador e do vendedor, garantindo que a operação seja segura.

Se nenhuma pendência for encontrada, a assinatura do contrato entre o comprador, o banco e o vendedor do imóvel é concretizada e torna-se válida quando o contrato é registrado no Cartório de Registro de Imóveis competente.

Na sequência das etapas, depois do contrato assinado, o comprador deve pagar o ITBI – Imposto de Transmissão de Bens e Imóveis, bem como os custos do cartório, para que o mesmo possa ser registrado.

Com o contrato registrado em mãos, o comprador entrega o contrato para o banco, que libera o crédito ao vendedor.

Assim, a operação do financiamento se encerra e a partir desse momento as parcelas precisam ser pagas. A primeira é após 30 dias da assinatura.

Os bancos também podem financiar a reforma apartamento 50m2, porque a concessão de crédito não se limita apenas à compra de um imóvel, mas também para construções e reformas.

Porém, é preciso analisar qual o valor dessa reforma, porque se ela não for muito dispendiosa não vai valer a pena solicitar um empréstimo, pois os custos podem ser pagos através da própria renda pessoal, sem a necessidade de contrair dívidas.

Portanto, uma sala planejada para apartamento pequeno também pode ser reformada com o dinheiro do crédito concedido por meio da instituição financeira escolhida pelo solicitante do valor.

Documentos para financiar um imóvel

Normalmente, as instituições financeiras solicitam documentos do comprador e do imóvel a ser comprado. Segue a lista:

  • RG e CPF originais;
  • Certidões de nascimento ou de casamento / união estável ou divórcio;
  • Comprovante de residência;
  • Comprovante de renda;
  • Certidão negativa de débitos – tributos Federais e da Dívida Ativa da União.

Além de, se for usar o FGTS, uma cópia da carteira de trabalho, extrato atual do FGTS, cópia da declaração de Imposto de Renda mais recente e comprovante de residência.

Documentos do imóvel financiado, certidão atualizada da matrícula do imóvel, certidão negativa de débitos de IPTU.

Se o comprador for pessoa jurídica: documentos pessoais dos sócios (RG e CPF), contrato e/ou Estatuto Social atualizado e Certidão de Regularidade do FGTS.

Todas as despesas que envolvem os documentos solicitados para a operação do financiamento imobiliário são de responsabilidade do solicitante do crédito, nunca por parte da instituição financeira.

Apenas como uma informação adicional, se uma empresa possui uma sala com móveis planejados industriais, aqui também é possível uma reforma por meio do empréstimo solicitado.

Dicas para o financiamento

Para conseguir o melhor financiamento, que atenda às necessidades do comprador, seguem algumas dicas muito importantes, que devem ser acatadas para que impeça o surgimento de problemas durante o prazo de pagamento das parcelas:

  • Aproveite as taxas baixas e pesquise bastante o assunto;
  • Faça um planejamento para pagar a entrada;
  • Renegocie dívidas antigas;
  • Atente-se às custas cartoriais;
  • Conheça o imóvel e a vizinhança;
  • Preste atenção ao Custo Efetivo Total (CET);
  • Use a portabilidade de transferência de financiamento, caso necessário.

É importante observar as condições que cada banco oferece quanto aos prazos e taxas de juros. Ser cliente de uma instituição não é fator decisivo para fechar uma negociação, mesmo que o relacionamento seja de confiança.

O financiamento, geralmente, abarca 80% do valor do imóvel, e os 20% precisam ser pagos como entrada, com recursos pessoais. É comum a utilização do FGTS para compor a entrada, desde que os requisitos para movimentar o fundo sejam cumpridos.

O saldo do FGTS pode ser usado apenas se o solicitante do crédito tiver trabalhado ao menos 3 anos consecutivos, com registro em carteira. Fora essa condição não existe a possibilidade.

Ter um bom histórico de pagamento, aumenta as chances de aprovação do financiamento do imóvel. Portanto, ter o “nome sujo” diante dos órgãos de proteção ao crédito inviabiliza o processo.

É recomendável, neste caso, negociar dívidas contraídas anteriormente e livrar-se delas junto aos credores, com as melhores condições de pagamento. 

Porém, ser um bom pagador não garante a aprovação do financiamento. É necessário checar o nome em listas de restrições cadastrais dos bancos, como também verificar se a renda é compatível com a operação.  

Tipos de financiamento imobiliário

O mercado oferece algumas possibilidades de financiamentos e é preciso tomar conhecimento de todas elas, sempre lembrando que existem diferenças entre elas, dependendo da instituição bancária. 

Sendo eles o Sistema Financeiro de Habitação (SFH), Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI), e os programas habitacionais. 

Considerações finais

Para quem tem receio de entrar em um financiamento imobiliário, quando ele é bem planejado, o processo é tranquilo e por ele oferecer condições facilitadas, torna-se uma ótima oportunidade de comprar um imóvel.

Mesmo que não se tenha dinheiro guardado para fazer um pagamento à vista, também é uma forma de se livrar do aluguel, investindo na construção do patrimônio da família e pessoal.

A aquisição de um imóvel próprio, mesmo que seja financiado, é um investimento e no futuro o retorno pode ser bem lucrativo se o imóvel for vendido, pois o valor do metro quadrado da construção é sempre valorizado a cada ano.

As reformas também podem ser realizadas por meio do empréstimo, até mesmo em indústrias ou comércios, pois os bancos também possuem concessão de créditos para esses segmentos. 

Planejar esse sonho é a palavra-chave, que vai garantir a tranquilidade no pagamento das parcelas do financiamento, e colocar tudo que envolve o processo na ponta do lápis, favorece imensamente essa jornada.

Burocracias existem, assim como etapas a serem cumpridas, tanto por parte da instituição financeira, do comprador e do vendedor.

Mas, optar por alguns tipos de financiamento disponíveis pode ser a única maneira que muitas pessoas possuem de realizar o sonho de ter o próprio imóvel. 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.