pets

05 cuidados para ter com pets em ambientes pequenos!

Cuidar de pets pode ser algo que ao mesmo tempo se torna prazeroso, pois estudos comprovam que ter um bichinho de estimação pode fazer bem ao ser humano, também pode ser algo que requer muito mais cuidado do que se estipula. 

Afinal se trata de uma vida que requer alimento, cuidados médicos, higiene, vacinação em alguns casos e principalmente, dar atenção para o bichinho.

Ter um animal de estimação é algo que faz bem à saúde mental, já que a sensação que eles transmitem de bem-estar em momentos de carinho é algo puro e sincero, o que o cérebro do ser humano reconhece e transforma a relação em algo reconfortante.

Alguns tratamentos de terapia incluem animais como uma forma de trazer conforto para quem está enferno, sendo uma prática que está cada vez mais constante até mesmo em consultório psicopedagogia dependendo do tratamento que o paciente terá. 

Animais de estimação e seres humanos ao longo dos anos

Um dos relacionamentos mais antigos construídos com a evolução da humanidade, a amizade entre animais de estimação com seus donos tiveram diferentes modos em cada continente.

Usados na maioria das vezes como ajuda de caça, o que se é considerado o primeiro meio de domesticação de animais é referente aos predadores como as raposas e os lobos, segundo os cientistas.

Embora alguns usassem os animais como fonte de comida e de troca de mercadoria, já que a sua dominação nos que contribuem também como um meio de conseguir vestimenta ou transporte, ao longo dos anos foi sofrendo alterações.  

Enquanto em uma parte os cachorros foram os animais que começaram o relacionamento de companheirismo e afinidade com os seres humanos, por outro, os gatos no Egito Antigo eram venerados em cultos religiosos.

Pois, para os egípcios, os gatos e alguns outros felinos eram a reencarnação e a representação da deusa Bastet, protetora das mulheres e da fertilidade, servindo como decoração de ambientes externos como templos como forma de reverenciar.

Domesticados por mais de 5.000 a.C, os gatos também eram tratados como um membro familiar e ajudavam no controle de pragas que tinham nas casas como os ratos.

Durante um período de caça às bruxas na Europa, alguns países como a Inglaterra no século XVI e XVII condenavam pessoas por bruxaria se possuíssem animais como cães e gatos, podendo sofrer até mesmo a execução em alguns casos. 

Conforme o passar dos anos, outros animais foram domesticados e a relação entre humanos e animais passaram a envolver afeto, cuidado, companheirismo e até mesmo, a amizade. 

O termo pet surgiu por volta dos anos de 1530, vindo de uma expressão escocesa que tem como significado “animal preferido” e em alguns idiomas, podendo até mesmo ser traduzido para “amigo”. 

A importância e os benefícios de se ter um pet 

Comprovado de maneira científica que melhora a qualidade de vida dos seres humanos, os animais de estimação passaram a ser um meio importante não somente em tratamentos de terapia, como também, na convivência do dia a dia.

Sendo os benefícios mais comuns no que está relacionado ao ser humano:

  • Combate à depressão;
  • Redução do estresse;
  • Socialização;
  • Aumento de imunidade;
  • Combate ao sedentarismo.

O amor incondicional e a alegria que os pets proporcionam aos seres humanos acabam estimulando a produção de ocitocina, o hormônio que proporciona a sensação de bem-estar e pode ajudar no combate e no tratamento da depressão.

Em relação ao estresse, a interação com animais mais calmos até mesmo em uma sala de reunião moderna, ajuda a diminuir a liberação do cortisol, o hormônio que é liberado, já porque os pets proporcionam um momento de desconexão de problemas.

Doenças cardiovasculares também são prevenidas quando se conta com um companheirismo dos animais de estimação, porque a pressão arterial e os níveis de colesterol têm os seus níveis melhorados.

A imunidade de quem já sofreu AVC ou ataque cardíacos também são aumentadas com a presença de animais, da mesma forma como pode melhorar também o sistema imunológico de crianças e adultos.

Porque conviver com um animal faz com que a imunoglobulina A, um anticorpo viral ou bacteriano, proteja de dores de cabeça, resfriados e alergias segundo um estudo do Departamento de Psicologia Experimental da USP.

Um animal de estimação também acaba incentivando a prática de exercícios físicos, especialmente quem é dono de cachorros, pois a necessidade de fazer caminhadas ao ar livre pode se tornar um meio de exercício físico. 

Brincar com um animal requer movimentar o corpo de ambos, tanto adulto quanto o pet, e com isso auxilia no combate ao sedentarismo, até mesmo se o ambiente for um aluguel de espaço comercial, é importante que o animal tenha uma área da qual possa se mexer.  

Os animais também permitem que haja uma socialização entre seres humanos, pois a facilidade de conversar com alguém que possui um animal em um passeio ou em uma visita, se torna maior.

O ato de socialização também acaba desenvolvendo o comportamento de crianças, e não somente a desenvoltura social como também em questão a desenvolver responsabilidades, ter o cuidado com o próximo, até em expressar os sentimentos.

Sendo bons mascotes, os animais também são bons companheiros para ajudar crianças que têm dificuldades em aprender, deficiência física e autismo.

Dicas para ter um pet em ambiente pequeno

Ter animais em ambientes pequenos, principalmente, apartamentos, requer todo um cuidado para que não atrapalhe a vida do bichinho e nem prejudique a sua saúde, da mesma forma que as regras do condomínio devem ser cumpridas. 

Alguns condomínios possuem placa de identificação de salas personalizada como uma sinalização dos espaços dos quais podem ser ou não utilizados pelos animais, o que pode ser visto como uma extensão além da casa. 

Existem dicas e ações que podem ajudar a vida de um pet e de seu dono em ambientes pequenos, sendo algumas delas:

  1. Adestramento;
  2. Ajustes no apartamento;
  3. Tela de proteção;
  4. Atenção com a sujeira;
  5. Atenção com os possíveis riscos.

Adestrar um animal é um dos meios que podem fazer com que eles convivam em qualquer ambiente, sejam grandes ou pequenos. O curso de adestramento profissional se torna cada vez mais procurado por quem mora em apartamentos. 

Ensinar comandos para os animais pode ser útil em situações como sair do sofá ou esperar em um lugar antes de fechar a porta para trabalhar, especialmente quando se faz uma mudança de ambiente que pode alterar a rotina do pet.

Da mesma maneira que nos adaptamos a um novo ambiente do qual iremos morar, o animal também deve conhecer o espaço antes da mudança acontecer de fato, pois com a vistoria é possível saber onde irá ou não ser feitos reparos. 

Um espaço onde o pet possa brincar, dormir, comer e até mesmo fazer suas necessidades pode fazer toda a diferença para a rotina do animal, mesmo em ambientes pequenos e na ausência de um ser humano, o bichinho deve ter suas possibilidades de brincar.

Tela de proteção é uma das medidas de segurança mais recomendadas para quem tem pets em apartamento por conta da segurança da qual proporciona, mesmo que fique uma persiana horizontal tecido, é importante não só para gatos, como para cachorros.

Mesmo com adestramento, animais que possam ter acesso à janela devem ter uma proteção redobrada para a sua segurança, assim como não ter fios descapados, produtos de higiene em fácil acesso, objetos de vidro ou pontiagudos que possam machucar o pet.

A sujeira é um fator do qual se deve ter atenção também, sempre deixando o ambiente limpo e em caso de passeios nas áreas comuns de um condomínio, recolher a sujeira dos animais.

Pets que se adaptam bem em espaços pequenos 

Ocupando o topo da lista em preferências para se ter, os cachorros são boas opções para se ter em apartamentos se forem bem educados para que respeite as regras dos ambientes do condomínio e as suas condições.

Logo em seguida, os gatos ocupam o segundo lugar pois se adaptam bem a um ambiente como o apartamento e até mesmo ao seu estilo de vida, já que os felinos possuem a própria personalidade que pode se encaixar com a do ser humano.

Embora sejam considerados independentes, os gatos precisam de carinho e atenção, assim como os outros animais de estimação, incluindo ao que se refere a tratamento médico veterinário. 

Os peixes também ocupam uma boa posição na lista de preferência para se ter em ambientes pequenos, e com a possibilidade de escolher os de água doce ou até de água salgada, se tornam os favoritos.

Por mais que se pense que os peixes também não precisam de cuidados por estarem em aquários, eles também precisam ser limpos e haver a troca de água, além de deixá-la na temperatura ideal para cada tipo de espécie.

Considerações finais 

Portanto, a relação do ser humano com os animais vem desde os tempos antigos, e ao longo da história, foi se reforçando ainda mais até a domesticação e a ligação conhecida e apreciada nos dias de hoje.

Ter um animal em espaços pequenos como um quintal por exemplo requer cuidados, até mesmo possuir um toldo para janela residencial como forma de fazer sombra para que não fique tão exposto à luz solar ou a chuvas em ambientes muito abertos. 

Alguns animais se adaptam melhor aos ambientes pequenos de apartamento como gatos, peixes e cachorros, contudo, todo animal merece atenção e carinho independentemente do ambiente que viva, trazendo satisfação para a vida do humano, e também do bichinho. 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.